parallax background

Frédéric Chopin, notável pianista e compositor da era Romântica, é um dos poloneses mais famosos. Você sabia que ignorar ou questionar a nacionalidade dele é considerado uma blasfêmia na Polônia?

Ao contrário do que se comumente imagina, o compositor Frédéric Chopin era polonês; não, francês. Ele nasceu na Polônia, em 1810, e passou metade de seus trinta e nove anos nesse país. Apenas aos vinte anos, partiu para a França, país em que viveu até morrer, em 1849.

A confusão em relação a sua nacionalidade vem inicialmente por causa de seu sobrenome: “Chopin”, que de polonês não tem nada, é verdade! O sobrenome do pianista, cuja origem é de fato francesa, foi herdado de seu pai, francês, que se mudou para a Polônia ao dezesseis anos idade, se casou com uma polonesa e fez no país a sua vida.

Chopin teve contato com a música desde muito cedo, crescendo em um ambiente familiar bastante musical: sua mãe tocava piano e cantava, e seu pai tocava flauta e violino. Aos seis anos de idade, o jovem Chopin tocava habilmente piano e compunha melodias. Aos sete, ele publicou sua primeira composição. Chopin deu o primeiro concerto aos oito anos e foi logo considerado um prodígio. Passou, então, a se apresentar nos salões da aristocracia Varsóviana; e a imprensa da cidade, encantada com o talento de Chopin, ajudou a difundir o nome do jovem artista. Em 1819, ele estreou internacionalmente em Viena e, nos anos seguintes, apresentou-se em vários países na Europa.

Em 1831, Chopin chegou em Paris, onde passou o resto de sua vida. Foi lá que escreveu algumas das suas melhores músicas para o piano. Também foi na capital francesa que ele se tornou mundialmente famoso. Esta é outra razão pela qual o compositor é relacionado mais à França do que à Polônia .

Chopin seguiu para Paris em 1831, sem a intenção de ficar por lá para sempre. No entanto, acontecia, nesse período, em Varsóvia, o Levante de Novembro (1830-31), uma revolta armada contra o domínio russo na Polônia. Enquanto a caminho de Paris, vindo de Viena, o compositor recebeu notícias do fracasso do levante.  Chopin, nacionalista declarado, que acreditava fortemente na idéia de uma nação polaca, acabou ficando exilado em Paris, pois o retorno à terra natal implicaria sua prisão.

Em Paris, Chopin teve uma carreira de sucesso. Teve a oportunidade de conhecer músicos consagrados, como Rossini e Cherubini; além de outros de sua geração, como Mendelssohn, Berlioz, Lizst e Schumann. No âmbito privado, manteve relacionamento complexo e tumultuado com a escritora George Sand.

O pianista polonês passou os últimos anos de sua curta vida em um estado quase constante de problemas de saúde. Depois de meses bastante doente, Chopin morreu de tuberculose, em Paris, em 1849, aos 39 anos de idade.

Frederic Chopin

Frédéric Chopin em 1849
Foto de Louis-Auguste Bisson

Poucas horas antes de sua partida, ele pediu sua aluna e amiga Delphina Potocka para cantar três melodias de Bellini e Rossini, que ela cantou chorando. Ele morreu como viveu: cercado por música.

Frideric Chopin Death

O leito de morte de Chopin, Félix-Joseph Barrias (1885)
Crédito de imagem: Wikimedia Commons

O corpo de Chopin foi enterrado no famoso Cimetière du Père-Lachaise, em Paris.

Túmulo de Chopin no Cemitério do Père Lachaise, em Paris

Túmulo de Chopin no Cemitério do Père Lachaise, em Paris
Foto de Auguste Clésinger / Wikimedia Commons

Mas seu coração foi levado para a Polônia. Após sua morte, atendendo a um pedido de Chopin, sua irmã levou o coração do compositor – conservado em conhaque – de volta a sua terra natal. O órgão está preservado em urna e guardado em um dos pilares da Igreja da Cruz Sagrada, em Varsóvia. Desde então, tornou-se passagem obrigatória para quem visita a capital polonesa.

Igreja da Cruz Sagrada em Varsóvia
Crédito de imagem: Wikimedia Commons

Pilar da igreja da Cruz Sagrada,
onde está guardado o coração de Chopin
Foto: Maciej Szczepańczyk (https://en.wikipedia.org/wiki/GNU_Free_Documentation_License)

Não é difícil perceber pelas composições – várias de suas obras têm influência do folclore polonês, como é o caso das mazurcas e das polonaises – o quão perto da Polônia permaneceu o coração de Chopin. E menos difícil ainda é notar a paixão e o orgulho do povo polonês por seu famoso conterrâneo.

Para mim, um dos presentes de viver em Varsóvia foi descobrir Chopin visto pelo olhar amoroso do povo polonês. Perceber que ele vive em cada cantinho, não só desta cidade, mas deste país. A cada piano que vejo espalhado pela cidade e disponível para quem quiser tocá-lo; na música delicada tocada nos trens alertando-nos da “próxima parada”; nos prazerosos concertos ao ar livre durante o verão; nas inúmeras homenagens feitas ao compositor; sinto que a Polônia e Chopin vão conquistando “em uníssono” o meu coração; e que, quando eu partir, eles farão parte de uma só memória.

Escultura de Chopin no Łazienki Park, em Varsóvia
O monumento foi instalado em 1926, poucos anos depois de a Polónia ter recuperado a independência. Em 1940, foi destruído pelos nazistas; quebrado em pedaços e enviado para fundições para ser derretido. O monumento reconstruído foi inaugurado em 1958.

No verão, todos os domingos, concertos gratuitos de música de Chopin acontecem no sopé do monumento.

Crédito da imagem da capa: Henryk Siemiradzki (Wikimedia Commons).

Carolina Horta
Carolina Horta
Carolina Horta é formada em História da Arte pela Universidade de Londres e tem cursos de especialização pela “Sotheby’s Institute of Art”. Ela é servidora pública federal e trabalha no exterior há quase nove anos. Atualmente, mora em Varsóvia, na Polônia; antes disso, morou em Londres por mais de seis anos. Morando há tantos anos na Europa, ela tem tido o privilégio de frequentar feiras, bienais, exposições e inúmeros museus, assim como ter acesso a um rico e extenso material sobre arte. Arte até Você é um projeto que nasceu de sua paixão pela arte e de sua vontade de compartilhar e fazer chegar essa paixão aos leitores, onde quer que eles estejam. Sua intenção é informar, inspirar e fazer com que mais pessoas se apaixonem pela arte.

5 Comments

  1. Marco Rodarte-Elias disse:

    Excelente artigo, Carolina!

    Eu, ao contrário de muitos, já sabia desde pequeno que Chopin era Polonês e não Francês – sério mesmo! Foi por sorte ter recebido um disco de vinil que continha um encarte com uma sucinta biografia.
    Foi algo que me evitou dores de cabeça com amigos poloneses e me conferiu uma enorme vantagem com uma certa garota de Varsóvia 🙂

    Chopin é, sem dúvida nenhuma, um dos heróis nacionais da Polônia. Era, apesar da descendência Francesa por parte de pai, um fervoroso nacionalista que, quando exilado na França por motivos políticos, dormia com uma pequena bolsa de terra (de sua cidade natal, Żelazowa Wola ) debaixo do travesseiro. Seu coração, realmente, nunca havia deixado a Polônia.

  2. Lenoir Josino disse:

    Bom dia Carolina. Gostei muito sobre o relato da vida de Chopin. Também não sabia que ele tinha nascido na Polônia. Ouvi muito as suas obras e nunca me liguei no vínculo que Chopin tinha (e tem )com a Polônia. Seus textos sempre são culturais. Parabéns por essa iniciativa, que está solidificando-se cada vez mais. Brilhante!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *